2

São Gonçalo do Amarante - CE - Terça-feira 28 de Setembro de 2021 - Ano: XIII - Edição: 4.726

"PSDB tem que tomar cuidado para não acabar em 2022" diz Aécio Neves um dos arquitetos do golpe de 2016

(Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Um dos arquitetos do golpe de 2016, o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) também afirma que o seu partido "tem que ter um cuidado grande para não tomar um caminho errado de isolamento absoluto" nas eleições de 2022

3 de julho de 2021

Um dos arquitetos do golpe de 2016 contra Dilma Rousseff, o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) agora vê risco de isolamento da sigla e afirma que a legenda tem de tomar cuidado para não acabar em 2022 ou virar um partido nanico no Congresso Nacional.

"O PSDB tem que tomar um cuidado grande para não acabar nesta eleição. Tem que ter um cuidado grande para não tomar um caminho errado de isolamento absoluto e voltarmos amanhã como um partido nanico na Câmara dos Deputados”, disse ele em entrevista ao site Metrópoles.

De acordo com o parlamentar, "o PSDB tem de ter muito juízo". "O que eu temo é que uma candidatura que surja única e exclusivamente em razão de uma vontade pessoal ou da força de uma determinada máquina política possa nos levar ao definhamento", acrescenta.

A capilaridade política do tucano começou a ser posta em xeque em 2014, quando perdeu para Dilma tanto no primeiro quanto no segundo turno no próprio reduto eleitoral do congressista - Minas Gerais, onde governou por oito anos.

Em 2016, a imagem de Aécio se desgastou ainda mais, após a imprensa publicar o conteúdo das gravações feitas pelo empresário Joesley Batista. Conforme o áudio, Aécio pediu propina de R$ 2 milhões ao sócio da JBS. O deputado também foi citado diversas vezes em delações premiadas no âmbito da extinta Operação Lava Jato.

O ex-governador foi sendo cada vez mais esquecido e perdeu o controle do PSDB para o grupo do atual governador de São Paulo, João Doria.

Brasil 247

0 comments:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor