2

São Gonçalo do Amarante - CE - Sexta-feira 17 de Setembro de 2021 - Ano: XIII - Edição: 4.715

Quebra de sigilo de diretora da Precisa, Emanuela Medrades, aponta ligações com telefones de oficial da Defesa e de senador bolsonarista da CPI

Emanuela Medrades e Luis Carlos Heinze (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado | Leopoldo Silva/Agência Senado)

Quebra do sigilo telefônico da diretora da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades, revelou que ela manteve contatos telefônicos com um capitão-de-mar-e-guerra do Ministério da Defesa e com o senador Luis Carlos Heinze, que integra a CPI da Covid

2 de agosto de 2021

A quebra do sigilo telefônico da diretora da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades, determinada pela CPI da Covid, revelou que ela manteve oito contatos telefônicos com um capitão-de-mar-e-guerra que ocupa um cargo de gerência no Ministério da Defesa e quatro ligações do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), um dos principais defensores de Jair Bolsonaro e do uso de remédios sem comprovação científica contra o coronavírus no colegiado. As ligações foram realizadas antes do escândalo envolvendo a intermediação da compra da vacina indiana Covaxin pela Precisa. 

De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, Medrades efetuou uma ligação para  o número de um celular utilizado pelo capitão da Marinha Leonardo José Trindade de Gusmão, gerente do Departamento de Promoção Comercial do Ministério da Defesa. As ligações foram feitas em 22 e 23 de julho de 2020. A secretaria teria feito prospecções por insumos como seringas, agulhas e testes, que não estão entre os produtos principais da Precisa.

“Quando as ligações foram feitas, a Precisa já estava envolvida em outra suspeita, que resultou na Operação Falso Negativo, no Distrito Federal. A operação foi deflagrada a partir de junho de 2020, após indícios de superfaturamento na aquisição de testes para detectar a Covid-19 pelo governo local”, destaca um trecho da reportagem.

A quebra do sigilo também revelou registros de quatro contatos mantidos com o celular do senador Luis Carlos Heinze, todas elas feitas em 18 de abril deste ano, cinco dias após a CPI ter sido formalmente criada. A instalação do colegiado, porém, aconteceu em 27 de abril, nove dias após as ligações para a diretora da Precisa Medicamentos. Questionado sobre o assunto, o parlamentar disse não se lembrar do acontecido.

Brasil 247

0 comments:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor