2

São Gonçalo do Amarante - CE - Segunda-feira 27 de Setembro de 2021 - Ano: XIII - Edição: 4.725

A necessidade de reabrir inquérito da fakeada | JOAQUIM DE CARVALHO

Bastidores do documentário (Foto: Reprodução)

Joaquim de Carvalho publica documentos do inquérito e revela bastidores do documentário que escancarou as inverdades da narrativa oficial sobre o episódio que levou Bolsonaro à Presidência da República

13 de setembro de 2021

Joaquim de Carvalho é colunista do 247, foi subeditor de Veja e repórter do Jornal Nacional, entre outros veículos. Ganhou os prêmios Esso (equipe, 1992), Vladimir Herzog e Jornalismo Social (revista Imprensa). E-mail: joaquim@brasil247.com.br

...

Em julho deste ano, após conversarmos sobre um projeto de reportagem, disse a Leonardo Attuch, do 247, que a ideia de investigar o episódio da facada em Juiz de Fora não daria em nada, já que todas as evidências divulgadas levavam à conclusão de que houve, sim, um atentado contra Jair Bolsonaro. Dois meses depois e após dezenas de entrevistas e análise de peças do processo, não tenho receio de dizer que o inquérito sobre a facada precisa ser reaberto, já que há indícios fortíssimos de que houve fraude. A Polícia Federal não considerou a hipótese plausível de que ocorreu em Juiz de Fora um auto atentado, uma armação para interferir na campanha eleitoral.

Com a compromisso de que o 247 publicaria o resultado da minha apuração, mesmo que ela confirmasse a versão oficial, fui a Juiz de Fora, Montes Claros, onde Adélio Bispo de Oliveira nasceu e se criou, e Florianópolis, onde ele morava até dez dias antes da facada ou suposta facada. Em Juiz de Fora, ao conversar com pessoas envolvidas na investigação, minha primeira surpresa foi descobrir que a faca apresentada como o instrumento do crime tinha percorrido um caminho tortuoso naquele 6 de setembro de 2018 antes de chegar à mesa do delegado Rodrigo Morais, e de ser encaminhada para a perícia.

Ela não foi apreendida com Adélio, mas entregue à Polícia Federal por um PM do serviço reservado e por um paramédico vinculado a uma rede de militares e de seguranças que compunham uma espécie de célula bolsonarista na cidade, um troço bem esquisito. Renato Júlio dos Santos é o nome do paramédico. Ele deu depoimento à Polícia Federal e, quase três anos depois, eu o localizei por telefone. Depois de atender à minha ligação e ser informado do assunto, pediu dez minutos para estacionar o carro e não atendeu mais às minhas ligações nem respondeu às minhas mensagens por WhatsApp.

Mas eu consegui entrevistá-lo, depois de ficar três horas de plantão em frente à sua casa, em um condomínio para pessoas de baixa renda no Jardim de Alá, periferia de Juiz de Fora. Uma seguidora da TV 247 me reconheceu e comentou que ali perto um jovem tinha sido assassinado por traficantes alguns dias antes. Era, portanto, um lugar perigoso, mas, depois de interfonar para a casa dele, sem sucesso, e também para vizinhos, ele acabou me retornando, para uma conversa gravada de quase uma hora, que fiz no próprio carro.

Renato fez um relato que, mais tarde, eu descobriria ter inconsistências.

Ele disse ter pisado em cima de uma faca no calçadão da rua Halfeld, local do crime, depois que Adélio tinha sido levado por seguranças voluntários de Bolsonaro para o segundo andar de um prédio onde funcionavam (e funcionam) um chaveiro e uma escola profissionalizante. Em vez de entregar o objeto para a polícia — havia muitos ali, tanto federais quanto militares e civis, alguns à paisana, outros não —, ele deixou com um vendedor de frutas que trabalha num carrinho instalado na esquina.

Brasil 247

0 comments:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor