2

São Gonçalo do Amarante - CE - sEGUNDA-FEIRA 29 de novembro de 2021 - Ano: XIV - Edição: 4.790

Para o general que comanda Petrobrás a empresa vai continuar com lucros sólidos para os acionistas e preços extorsivos e inflação alta para o brasileiro

Presidente da Petrobrás, Joaquim Silva e Luna (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Segundo Joaquim Silva e Luna, empresa tem "resultados e lucros sólidos", que ajudam "a sustentar políticas públicas para os brasileiros". No entanto, o que os brasileiros têm recebido são preços extorsivos e inflação alta

30 de outubro de 2021

Sputnik – Em reunião para investidores na tarde de sexta-feira (29), o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, disse que a empresa continuará com disciplina de capital, ao mesmo tempo que adota políticas que visam os melhores retornos aos acionistas, e, consequentemente, para a sociedade brasileira, de acordo com o UOL.

As declarações de Silva e Luna acontecem após o presidente da República, Jair Bolsonaro, dizer que a estatal precisa ter um papel social e não pode ser uma empresa que dê "lucro tão alto", conforme noticiado.

"É bom enfatizar que a Petrobras não persegue o lucro pelo lucro, o nosso objetivo é retornar valor para os nossos acionistas e para a sociedade, por meio de impostos, dividendos e geração de empregos e investimentos. [...] Continuaremos atuando com disciplina de capital, investindo em ativos com altas taxas de retorno, com foco na geração de valor para a sociedade. O resultado numérico desse trabalho é traduzido em lucro", comentou Silva e Luna.

Ainda segundo o presidente da estatal, "os sólidos resultados" da empresa em 2021 "permitirão que a sociedade brasileira, por meio da União, receba R$ 23,3 bilhões em dividendos", recursos que ajudariam a sustentar "políticas públicas para todos os brasileiros e que beneficiam especialmente os mais vulneráveis".

De acordo com a mídia, o balanço de ontem (29) indicou que a Petrobras recolheu R$ 134,1 bilhões em tributos aos cofres públicos de janeiro a setembro, alta de 43,4% ante o mesmo período do ano passado.

Entretanto, para o bolso do brasileiro, fica cada vez mais difícil desassociar a empresa brasileira da alta nos combustíveis. Só neste ano, a gasolina sofreu aumento de 73,4%.

Brasil 247

0 comments:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor