2

São Gonçalo do Amarante - CE - Sexta-feira 25 de Junho de 2022 - Ano: XIV - Edição: 4.994

Após dois dias de atraso, Jornal Nacional finalmente noticiou a investigação do TCU contra o ex-juiz parcial Sérgio Moro

Sergio Moro virou notícia no Jornal Nacional, mas de forma negativa

30 de dezembro de 2021

O Jornal Nacional noticiou nesta quarta (29) a investigação do TCU contra Sergio Moro. Alvarez & Marsal terá que apresentar documentos sobre a relação da empresa com o ex-juiz parcial da Lava Jato.

“O Tribunal de Contas da União determinou que a empresa Alvarez & Marsal apresente todos os documentos dos serviços prestados pelo o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro. A decisão é do ministro Bruno Dantas”, disse a âncora do JN.

“O pedido é para que a empresa entregue as datas das transações e os valores envolvidos. A Alvarez & Marsal é o escritório que atuou como administradora judicial da Odebrecht, empreiteira investigada pela Lava Jato”, acrescentou.

“O TCU está investigando se há prejuízo aos cofres públicos. E se há ‘possível conflito de interesses, favorecimento, manipulação e troca de favores entre agentes públicos e organizações privadas’. Moro deixou de prestar serviço para a empresa em outubro”, completou.

A notícia sobre a investigação do TCU contra Sergio Moro no JN é impactante. Considerado o principal jornal do país, a Globo tem um posicionamento em seu jornalismo de centro-direita. E a relação dos jornalísticos da emissora foi muito próxima da Operação Lava Jato.

Jornal Nacional mostrou o posicionamento de Moro

Acusado pelo MP de contribuir “naturalmente” para a quebra da Odebrecht – o ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), mandou que a Alvarez & Marsal revele quanto pagou ao ex-juiz depois que ele deixou a empresa -, aproveita para chorar as pitangas nas redes.

E, óbvio, sempre batendo na mesma, e enjoativa tecla: “Trabalhei 23 anos na carreira pública”, escreveu no Twitter. “Lutei contra a corrupção neste país como ninguém jamais havia feito. Deixei o serviço público e trabalhei honestamente no setor privado para sustentar minha família. Nunca paguei ou recebi propina, fiz rachadinha ou comprei mansões”.

“Não enriqueci no setor público e nem no privado. Não atuei em casos de conflito de interesses. Repudio as insinuações levianas do Procurador do TCU a meu respeito e lamento que o órgão seja utilizado dessa forma”, completou o ex-juiz.

DCM

0 comments:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor