2

São Gonçalo do Amarante - CE - Sábado 26 de Junho de 2022 - Ano: XIV - Edição: 4.995

Nelson Barbosa explica como Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e Eduardo Cunha contribuíram para a recessão no Brasil

Ex-ministro da Fazenda alerta para risco de desaceleração da economia (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Pautas-bomba e Lava Jato tiveram peso importante na recessão de 2014-2016, aponta o ex-ministro da Fazenda e do Planejamento

31 de dezembro de 2021

"Continuando minha análise dos últimos anos, além de política econômica, choques internacionais e efeitos climáticos, a Operação Lava Jato (OLJ) e as pautas-bomba de 2015 também explicam parte da recessão de 2014-16", escreve o economista Nelson Barbosa, ex-ministro da Fazenda e do Planejamento, em artigo publicado nesta sexta-feira na Folha de S. Paulo.

"A consultoria de Gesner Oliveira estimou que a OLJ tivesse derrubado o PIB de 2015 em 2,5%. A queda total daquele ano foi de 3,5%. Já segundo estudo da CUT-Dieese, o efeito negativo da OLJ foi de 3,6% do PIB em 2014-16. A queda acumulada nos três anos foi de 6,2%", lembra Nelson. "Caso o número real se revele um quinto do estimado pela CUT-Dieese, a OLJ explica cerca de 12% da recessão de 2014-16", diz ele, antes de passar para o tema das pautas-bomba de Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados.

"Já ouvi alguns 'especialistas de rede social' afirmarem que pauta-bomba é mito, pois Dilma desarmou a maioria das sabotagens fiscais da oposição. Quem diz isso é analfabeto político, pois desarmar armadilhas legislativas requer tempo e compensação orçamentária, barrando iniciativas mais progressistas. Foi isso que ocorreu em 2015. Também já ouvi alguns cínicos dizerem que pauta-bomba faz parte do 'jogo duro constitucional', pois é natural a oposição querer o 'quanto pior melhor', mas acho essa visão coisa de gente mimada que não sabe perder eleição (tucanos)", assinala.

Nelson também recorda que "o PIB voltou a crescer no segundo trimestre de 2016, fruto da estabilização do cenário internacional e das medidas de flexibilização fiscal adotadas pelo governo Dilma no final de 2015."

Brasil 247

0 comments:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor