2

São Gonçalo do Amarante - CE - Sábado 2 de Julho de 2022 - Ano: XIV - Edição: 5.001

Covid-19: Brasil vive explosão de casos e de mentiras “oficiais”

Por Fernando Brito | 10 de Janeiro de 2022

O número de casos de Covid oficialmente registrado no Brasil não é apenas subestimado, é contraditório até mesmo com a migalha de testes que se consegue fazer.

Dois anos, quase, depois do início da pandemia, estamos vivendo um “apagão” de dados – e mais ainda de confiabilidade.

Sejam os números centralizados – os sistema do Ministério da Saúde completa um mês paralisado – sejam muitos dos dados produzidos por Estados e Municípios, nada é preciso.

Ontem, fui a um posto público de testagem da Covid da Prefeitura do Rio de Janeiro, no centro da cidade. Apesar da espera de mais de 2 horas, tudo estava relativamente bem organizado e os funcionários se desdobravam em atender bem. Num cálculo aproximado, creio que atendiam cerca de 100 pessoas por hora e, de 8 às 17, com o excedente que estava ainda na fila ao fecharem-se os portões, estimo que cerca de mil pessoas foram testadas, recebendo minutos depois seu resultado.

Como aos que testavam negativo era a simples entrega de um papel e aos positivos, a funcionária parava e dava orientações, era possível perceber a parcela que tinha tido (inclusive eu) o teste reagente e era impressionante: praticamente “meio a meio”.

Impressão confirmada pelo índice de “positivo” que a Prefeitura divulga nos testes da primeira semana epidemiológica do mês (2/1 a 8/1): 44% dos 58.585 exames realizados. Ou 25.777 positivos, só nos testes aplicados pela administração municipal ou que ela tenha recebido e contabilizado.

É 32% maior do que o município contabiliza como “casos confirmados” onde se aplica o critério de “data do início dos sintomas”: 17.298, neste mesmo período.

Não há qualquer menção aos casos verificados em testes de farmácia ou de laboratórios particulares.

A impressão que colhi, na prática – e que me levou a compará-la com as informações locais do Rio de Janeiro – é ainda menos assustadora que a de gente imensamente mais capaz que este blogueiro: a pneumologista Margareth Dalcolmo, da Fiocruz, e o médico e neurocientista Miguel Nicolelis, em entrevista a Luís Nassif e Marcelo Auler, no GGN.

Tijolaço

0 comments:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor