2

São Gonçalo do Amarante - CE - Domingo 22 de Maio de 2022 - Ano: XIV - Edição: 4.963

Justiça de Brasília encerra em definitivo o caso do triplex do Guarujá usado por Sérgio Moro contra Lula

(Foto: Ricardo Stuckert)

Em nota, a defesa do ex-presidente cita Moro e diz que o processo "serviu apenas para que alguns membros do Sistema de Justiça praticassem lawfare contra Lula"

28 de janeiro de 2022

A Justiça de Brasília decidiu na noite desta quinta-feira (27) arquivar e pôr fim ao caso do triplex do Guarujá usado pela Lava Jato, comandada pelo ex-procurador Deltan Dallagnol (Podemos) em conluio com o ex-juiz suspeito Sergio Moro (Podemos), para perseguir e condenar o ex-presidente Lula (PT).

Os advogados do petista, Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins, emitiram nota na qual reforçam o lawfare praticado contra Lula e comemoraram o fim do processo.

Pelo Twitter oficial de Lula, a equipe do ex-presidente publicou: "juiz parcial. Condenação sem provas por 'ato indeterminado'. Perseguição política. Caso anulado e encerrado.  A verdade venceu".

"O encerramento definitivo do caso do tríplex pela Justiça reforça que ele serviu apenas para que alguns membros do Sistema de Justiça praticassem lawfare contra Lula, vale dizer, para que fizessem uso estratégico e perverso das leis para perseguir judicialmente o ex-presidente com objetivos políticos. Um caso sem nenhuma materialidade nem acusação concreta e apenas com provas de inocência do ex-presidente.

O Supremo Tribunal Federal reconheceu a parcialidade do ex-juiz Sergio Moro nesse caso e em outros em que ele atuou contra Lula, tal como demonstramos desde a primeira defesa escrita apresentada, e, como consequência, declarou a nulidade todos os atos – reconhecendo que o caráter ilegal e imprestável da atuação de Moro em relação ao ex-presidente".

Brasil 247

0 comments:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor