2

São Gonçalo do Amarante - CE - Quinta-feira 26 de Janeiro de 2022 - Ano: XIV - Edição: 4.849

Médicos solicitam no CFM abertura de processo ético contra o ministro Pazuello de Jaleco

Queiroga e Bolsonaro alinhados contra a vacinação

Gestores médicos ligados ao Cosems justificam o processo pela sabotagem ao programa nacional de imunização para crianças e à recomendação da Anvisa

07 de Janeiro de 2022

Médicos ex-presidentes do Cosems-SP (Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo) solicitam ao CFM a abertura de processo ético-profissional contra o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

No documento, assinado pelos membros do Conselho Honorário da entidade em 30 de dezembro, os médicos argumentam que Queiroga cometeu infrações que atingem toda a população brasileira, principalmente as crianças entre 5 a 11 anos, ao resistir à recomendação da Anvisa de abrir a vacinação infantil contra covid-19.

Seguindo a orientação do presidente Bolsonaro, que desde o início da pandemia é contrário a qualquer vacinação contra a covid, o ministro agiu para impedir a abertura do programa de imunização para crianças. Primeiro chegou a propor uma consulta pública sobre o assunto, depois falou em prescrição médica para cada dose de vacina, medidas pensadas para retardar a possibilidade de vacinação de crianças.

Ontem (5), após resistência do Governo Federal, o ministro anunciou a inclusão de crianças de 5 a 11 anos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19, sem a exigência de prescrição médica. O Ministério da Saúde diz ter encomendado todas as doses necessárias para atender o público-alvo de 20 milhões de crianças, e prevê que todas serão entregues no primeiro trimestre deste ano.

Os ex-presidentes do Cosems-SP ressaltam que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) já havia aprovado a vacinação para esse público, portanto, a postura do ministro e do governo não fariam sentido.

“A alegação inicial para não implantar a vacinação foi relativa à segurança da vacina, inverdade que contraria absolutamente ao que se observou em milhões de doses desta vacina já aplicadas nessa faixa etária em outros países”, destacam os médicos.

Os signatários da solicitação de abertura do processo ainda citam a audiência pública promovida pelo governo com médicos conhecidos por compartilharem fake news e a insistência em exigir prescrição médica, depois descartada. Apesar disso, o governo insiste no discurso de que os pais devem procurar consulta médica antes de vacinar as crianças, confundindo pais e colocando, mais uma vez, a recomendação da Anvisa em dúvida.

“Não resta outra alternativa senão a constatação de que ele atende, acima de tudo, aos interesses políticos e ideológicos do governo, e mais especialmente, do Presidente da República.”

O intervalo entre a primeira e a segunda dose será de oito semanas, maior que o período de três semanas recomendado na bula.

Vermelho

0 comments:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor