Sérgio Moro diz não ser suspeito após foto com Doria e se compara a Lula a diferença é que ele julga



Sérgio Moro rejeitou nesta quinta-feira, 24, o pedido de suspeição apresentado pela defesa do ex-presidente Lula por ele ter participado em evento da empresa do ex-prefeito e pré-candidato a governador de São Paulo pelo PSDB, João Doria, bem como em ter aparecido sorridente em foto com o tucano; entre os argumentos para negar o pedido, Moro justifica que Lula, um político, aparece em fotos com outros políticos como Aécio Neves e Geddel Vieira Lima; "O que também não significa que, por conta da foto, eram ou se tornaram aliados políticos"; a diferença é que Lula não julga Aécio nem Geddel


24 DE MAIO DE 2018

Paraná 247 - O juiz federal Sérgio Moro rejeitou nesta quinta-feira, 24, o pedido de suspeição apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela participação de Moro em evento da empresa LIDE, do pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB João Dória Jr., com uso de foto e vídeo pelo político nas suas redes sociais dentro da sua pré-campanha ao governo de São Paulo.

Em sua decisão, Moro afirmou que não tem “relação especial” com Doria e tenta justificar sua foto ao lado do candidato com o fato de haver na internet fotos do ex-presidente Lula com o senador Aécio Neves e o ex-ministro Gedel Vieira.

"Ora, uma fotografia em evento social ou público nada significa além de que as pessoas ali presentes tiraram uma fotografia. Pessoas tiram fotos em eventos públicos ou sociais e é possível encontrar, na rede mundial de computadores, dezenas de fotos até mesmo do Excipiente com políticos oposicionistas, o que também não significa que, por conta da foto, eram ou se tornaram aliados políticos", diz Moro.

"Não tem este julgador qualquer relação especial com João Dória Jr., nem agiu de qualquer forma para promovê-lo eleitoralmente. O nome dele não foi mencionado pelo julgador na palestra ou no discurso até para evitar confusões da espécie. Os eventos em questão não tiveram natureza político-partidária. Aliás, rigorosamente, sequer foi iniciado o período legal de campanha, tendo a própria Defesa do Excipiente denominado-o de pré-candidato", acrescenta Moro, ignorando os dividendos políticos que Doria já colhe pela associação com a imagem do juiz da Lava Jato.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]