Governo incompetente pressiona Polícia Federal por prisões de caminhoneiros para acabar greve



O governo segue acumulando sucessão inédita de erros na condução da greve dos caminhoneiros, que entra em seu 9º dia; sem conseguir pôr fim à greve, o governo tensiona o quadro mais uma vez e passa pela terceira fase de terceirização de responsabilidade; primeiro, desovou fakenews nos jornais (anunciando o fim da greve), depois convocou o exército e, frustradas as tentativas, chamou a Polícia Federal, que está sendo pressionada a prender os caminhoneiros que se recusarem a encerrar a mobilização; a solução que vai tomando forma junto à população é a renúncia de Temer e Parente

29 DE MAIO DE 2018

O governo segue acumulando sucessão inédita de erros na condução da greve dos caminhoneiros, que entra em seu 9º dia. Sem conseguir pôr fim à greve, o governo tensiona o quadro mais uma vez e passa pela terceira fase de terceirização de responsabilidade. Primeiro, desovou fakenews nos jornais (anunciando o fim da greve), depois convocou o exército e, frustradas as tentativas, chamou a Polícia Federal, que está sendo pressionada a prender os caminhoneiros que se recusarem a encerrar a mobilização.

“Sem conseguir acabar com a greve dos caminhoneiros, o governo Michel Temer pressiona a Polícia Federal a acelerar investigações e prender suspeitos de dar suporte ilegal ao movimento. A ofensiva atípica em cima da PF ignora o fato de os inquéritos serem sigilosos e estarem em fase inicial e se dá em meio a diversas tentativas frustradas de interromper a paralisação.

Em reunião no Palácio do Planalto, o diretor-geral da polícia, Rogério Galloro, chegou a ter de fazer uma explicação básica de como as prisões ocorrem no Brasil (...) A explanação se deu como resposta a diversas cobranças feitas durante uma das reuniões do fim de semana, de que as detenções seriam importantes para colocar fim na mobilização. À cúpula do governo, Galloro esclareceu que isso só pode acontecer em casos de flagrante ou com ordem judicial.”

Leia mais na Folha de S.Paulo

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]