São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quarta-feira 29 de março de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.081 - Visitas: 15.001.658 - Postagens: 30.674

Doria paga correndo R$ 90 mil que devia de IPTU há 15 anos


O prefeito João Doria (PSDB) contestou a cobrança de uma alíquota progressiva no IPTU de sua mansão, de 3.042 m², nos Jardins, e entrou na Justiça para não pagar parte do imposto. Perdeu e, este més, foi parar no cadastro de devedores do Fisco Municipal. Alertado, saiu correndo para pagar. "O castigo vem a cavalo", diz o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço


Por Fernando Brito, do Tijolaço

29/03/2017

O castigo vem a cavalo.

João Dória, o Gari, o Pedreiro, o Lixeiro, o Cadeirante, o Galo de Briga, teve de meter a mão no farto bolso e pagar correndo os R$ 90 mil que devia à Prefeitura da cidade que governa.

Ele contestou a cobrança de uma alíquota progressiva no IPTU de sua mansão, de 3.042 m², nos Jardins, e entrou na Justiça para não pagar parte do imposto.

Perdeu e, este més, foi parar no cadastro de devedores do Fisco Municipal.

Alertado, saiu correndo para pagar.

Pagou, mas é impagável a cena.

Teve de “acelerar” para não ficar como o que foi, durante 15 anos, um inadimplente.
Mas não é muito.

Segundo a Exame, o preço do metro quadrado nos Jardins ultrapassa R$ 15 mil, o que faz com que os 90 mil representem, sobre os mais de três mil metros quadrados de Dória, um pouco mais que 1,5% do valor, já incluídas aí as multas, os juros e a mora.

Simpático como é, qualquer anúncio nas revistas de sua propriedade paga o prejuízo.


[ Leia completa ]

O julgamento de Temer no TSE e o burro que ia aprender a falar



POR  · 29/03/2017

Diz a história que, certa feita, chegou ao Reino um homem idoso que se dizia tão bom professor que era até capaz de ensinar um burro a falar.

O caso chegou aos ouvidos do Rei, que mandou trazer o homem à sua presença e indagou se era verdade aquilo que dele diziam, ao que o homem confirmou tudo.

O Rei, então, disse que o fizesse, para provar e o suposto professor argumentou que isso era um processo complicado, que exigia certas  condições: alojamento para ele e para o burro no palácio real, uma bolsa-burro de cem moedas de ouro por mês a lhe ser paga e, sobretudo, um prazo de dez anos. Afinal, o burro era burro e, portanto, ensinar-lhe era demorado.

O rei concordou, mas disse que, se ao final dos 10 anos, a promessa não fosse cumprida, o sabido professor seria decapitado em praça pública, por mentiroso.

Assim, tudo passou a correr dentro da normalidade e, todos os dias, o homem sentava-se num banquinho e repetia, aos ouvidos do burro, a mesma frase, por uma hora: “eu sou um burro, mas sei falar”, quem sabe na esperança de que os burros fossem como os papagaios ou os adeptos de Sérgio Moro e mecanicamente repetisse  o que ouvia. Nas outras 23 horas do dia, claro, aproveitava a fartura das moedas de ouro.

Passadas semanas, um cavalariço, rapaz que a tudo assistia diariamente, tomou coragem, aproximou-se e falou ao repetidor: “ora, meu velho, sabes bem que o burro não vai falar e você será decapitado nas escadarias do palácio”.

Serenamente, o velho respondeu-lhe: “És jovem, meu rapaz, e não prestaste atenção a um detalhe, o de quando é que serei decapitado”.

Em dez anos, respondeu o cavalariço. E o professor do burro, então, falou. – Pois em dez anos, garoto, eu terei morrido ou o burro terá morrido ou ainda o rei terá morrido e nenhuma diferença fará.

Moral da história? Gilmar Mendes não é burro,  é só o dono dos prazos.


[ Leia completa ]

Gafe: Temer anuncia volta do Irã à carne nacional sem que país tenha declarado embargo


O secretário de Defesa Agropecuária, Luiz Rangel, lembrou que o Irã havia apenas pedido informações ao Brasil


29/03/2017 - O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, corrigiu nesta noite de quarta-feira, o equívoco do presidente Michel Temer (PMDB), que, momentos antes, em cerimônia no Planalto, anunciou a reabertura do mercado do Irã à carne brasileira. "Tecnicamente não houve embargo do Irã à carne brasileira, houve suspensão dos abates", disse.

Maggi explicou que pelo fato de o Irã ser um país islâmico e ter um procedimento de abate diferenciado, chamado de halal, que é feito pelos próprios membros dessa religião dentro dos frigoríficos, o processo foi suspenso durante a Operação Carne Fraca.

O secretário de Defesa Agropecuária, Luiz Rangel, lembrou que o Irã havia apenas pedido informações ao Brasil sobre os problemas relativos às investigações e que o fluxo de comércio de carnes entre os dois países deve ser retomado ainda esta semana. Maggi, que participou de um evento de assinatura do novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (Riispoa), disse que a Operação Carne Fraca não influenciou no decreto assinado hoje por Temer.

O ministro reafirmou que, apesar do fim das suspensões de importações anunciado por vários países, a União Europeia (UE) ainda cobra explicações do governo brasileiro sobre as investigações em frigoríficos envolvidos e ainda a ação de fiscais agropecuários. "A União Europeia quer saber a extensão de envolvimento dos 33 técnicos do ministério", relatou.

Maggi confirmou ainda que ele e o secretário executivo do Ministério da Agricultura, Eumar Novacki, farão missões a grandes países importadores de carne brasileira.


[ Leia completa ]

Previsão do tempo para os dois últimos dias de março deve ser de mais chuva na maior parte do Ceará


Fortaleza e mais duas cidades têm mais de 500 milímetros em março. Março deste ano é o mês de março mais chuvoso desde 2008


29/03/2017 - Os dois últimos dias de março deve ser de mais chuva na maior parte do Ceará, de acordo com previsão da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) elaborada nesta quarta-feira (29).

Na quinta-feira (30), de acordo com a Funceme, a previsão é de tempo nublado durante todo o dia com chuvas isoladas nas regiões Noroeste e Centro-Sul. Nas demais regiões, nebulosidade com possibilidade de chuva isolada.

Para a sexta-feira (31), é de variações de tempo nublado com chuva em todo o Ceará ao longo do dia.

Com as chuvas acumuladas até esta quarta, o Ceará já tem o mês de março mais chuvoso desde 2008. As cidades que receberam os maiores volumes de chuva foram Granja (696 milímetros), Viçosa do Ceará (691), Fortaleza (500,4) e Santana do Acaraú (483).


Nesta quarta-feira, ocorreu chuva em 33 das 184 cidades do Ceará, com maiores volumes nos municípios de Guaraciaba do Norte (44 milímetros), Granja (31), Barroquinha (30) e Santa Quitéria (22).

[ Leia completa ]

Procuradoria-Geral Eleitoral pediu a cassação de Michel Temer


29/03/2017

Procuradoria-Geral Eleitoral pediu ao Tribunal Superior Eleitoral a cassação de Michel Temer e a inelegibilidade da presidente deposta Dilma Rousseff; informação foi divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo; manifestação do Ministério Público foi encaminhada na noite desta terça-feira (28) ao TSE; presidente da  Corte, ministro Gilmar Mendes, já anunciou que a cassação de Temer começará na próxima terça-feira, 4; estratégia do peemedebista para permanecer no poder é fazer chicanas, tanto no TSE quanto no STF, para tentar arrastar uma decisão final para 2018.


[ Leia completa ]

Terceirização de Temer foi aprovada no senado por 29 que já morreram

 O projeto de terceirização radical que Michel Temer quer sancionar foi aprovado por um Senado em que 29 integrantes já morreram; isso porque a Câmara decidiu retomar um projeto que havia sido aprovado em 1988 no Senado, mas estava engavetado; na lista, constam nomes como Romeu Tuma, Pedro Piva, Antônio Carlos Magalhães, Artur da Távola e Humberto Lucena; Temer decidiu aprovar a terceirização radical, que mata a CLT e poderá deixar 75% dos trabalhadores brasileiros sem férias e décimo-terceiro, após ser pressionado por banqueiros e empresários; Senado pretendia votar uma lei mais branda, mas Temer decidiu obedecer às ordens do capital, porque sabe que não será capaz de entregar a prometida reforma da Previdência; confira a lista completa dos mortos que Temer resgatou para matar seus direitos trabalhistas


28 DE MARÇO DE 2017

O assassinato da Consolidação das Leis do Trabalho e de direitos trabalhistas como férias, décimo-terceiro e FGTS, é obra de Michel Temer e de um Senado em que 29 parlamentares já morreram.

Isso porque a Câmara decidiu retomar um projeto que havia sido aprovado em 1988 no Senado, mas estava engavetado.

Na lista, constam nomes como Romeu Tuma, Pedro Piva, Antônio Carlos Magalhães, Artur da Távola e Humberto Lucena.

Temer decidiu aprovar a terceirização radical, que mata a CLT e poderá deixar 75% dos trabalhadores brasileiros sem férias e décimo-terceiro, após ser pressionado por banqueiros e empresários.

O Senado pretendia votar uma lei mais branda, mas Temer decidiu obedecer às ordens do capital, porque sabe que não será capaz de entregar a prometida reforma da Previdência.

Confira a lista completa dos mortos que integravam o Senado em 1988 – com a ressalva de que nem todos votaram pela terceirização irrestrita:

1) Abdias Nascimento

2) Albino Boaventura

3) Alexandre Costa

4) Antonio Carlos Magalhães

5) Artur da Távola

6) Bello Parga

7) Beni Veras

8) Carlos Wilson

9) Darcy Ribeiro

10) Djalma Bessa

11) Djalma falcão

12) Élcio Alvares

13) Francisco Benjamin

14) Helio Campos

15) Humberto Lucena

16) Jefferson Peres

17) Jonas Pinheiro

18) Josaphat Marinho

19) José Eduardo Dutra

20) José Saad

21) Lauro Campos

22) Lucídio Portella

23) Ludio Coelho

24) Onofre Quinan

25) Pedro Piva

26) Ramez Tebet

27) Romeu Tuma

28) Ronaldo Cunha Lima


29) Vilson Kleinubing

[ Leia completa ]

Polícia ouve testemunhas e mãe de menina desaparecida em Fortaleza


Polícia ouviu como testemunha um homem que estava próximo ao local. Menina desapareceu na última segunda-feira (27) no Bairro Aerolândia


29/03/2017

A Polícia Civil ouviu na tarde desta terça-feira (28) testemunhas do caso de desaparecimento uma menina de quatro anos no Bairro Aerolândia na segunda-feira (27). Um homem prestou depoimento como testemunha por ter características semelhantes com o possível sequestrador e também por morar próximo ao local do crime. A polícia, porém, reforça que não há suspeita contra ele.

Os depoimentos foram realizados na tarde desta terça-feira (28) na Delegacia de Combate a Exploração da Criança e Adolescente (Dececa), em Fortaleza.

Conforme a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) entre outras pessoas, a investigação ouviu o depoimente da mãe da criança desaparecida.

Buscas

Uma operação da Polícia Militar fez buscas pela menina desaparecida no Bairro Aerolândia desde a noite desta segunda-feira (27). As buscas se concentraram na mata do parque ecológico do Cocó no bairro,  já que testemunhas disseram ter visto um homem, pedinte na região, caminhar pelo calçadão do parque com a criança. A operação começou ontem à noite e reiniciou na manhã desta terça.

Policiais militares do Batalhão de Polícia Militar Ambiental, da Companhia de Policiamento com Cães (CPCães) do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), além de homens do policiamento ostensivo geral e do Ronda da área, Bombeiros e Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) participaram das buscas. Um helicóptero da Ciopaer faz sobrevoos na região, conforme informações da Secretaria da Segurança.

Segundo informações do 13º Distrito Policial, a mãe fez um Boletim de Ocorrência na unidade nesta manhã.



[ Leia completa ]

Oportunidades de empregos em Caucaia 29/03/2017



OCUPAÇÕES
QTDE.VAGAS
Auxiliar de corte (preparação da confecção de roupas)
01
Auxiliar de costura
01
Auxiliar de serviços gerais - na confecção de roupas
01
Confeiteiro
01
Costureira de máquinas industriais
06
Faturista
01
Inspetor de qualidade
01
Marteleteiro de rocha
01
Mecânico de manutenção de máquina industrial
01
Motofretista
05
Supervisor de costura do vestuário
01
Vendedor interno
02

PESSOA COM DEFICIÊNCIA
OCUPAÇÕES
QTDE.VAGAS
Auxiliar administrativo
02
Auxiliar de limpeza
02

Os interessados devem procurar a unidade do SINE/IDT

Em São Gonçalo do Amarante
Av. Coronel Neco Martins, 236 - Centro - Fone :(85) 3315.7369

Em Pecém
Rua Rua Francisco Câncio, S/N - Centro - Fone :(85) 3315.1375

As informações sobre as vagas não são dadas por telefone. Todas as informações estão sujeitas à alteração. 



Fonte: Sine/IDT
[ Leia completa ]

Brasil vence Paraguai e é o primeiro País classificado para copa de 2018


A seleção brasileira tornou-se a primeira equipe classificada para a Copa do Mundo de 2018, na madrugada desta quarta-feira, depois da vitória sobre o Paraguai por 3 x 0 e da derrota do Uruguai para o Peru por 2 x 1; o Brasil foi a 33 pontos, 10 a mais que o quarto colocado, o Chile, restando quatro rodadas para o final das eliminatórias sul-americanas e, como haverá confrontos entre alguns dos rivais, o time não pode mais ser alcançado


29 DE MARÇO DE 2017

Tatiana Ramil, da Reuters


A seleção brasileira tornou-se a primeira equipe classificada para a Copa do Mundo de 2018, na madrugada desta quarta-feira, depois da vitória sobre o Paraguai por 3 x 0 e da derrota do Uruguai para o Peru por 2 x 1.

[ Leia completa ]

Bispos de Minas Gerais divulgam manifesto sobre a reforma da Previdência


Não é possível deixar desprotegidos os que mais necessitam do amparo do poder público


28/03/2017 - Os bispos das (arq) dioceses da Província Eclesiástica de Belo Horizonte divulgam manifesto sobre a proposta de Reforma da Previdência. No manifesto, os bispos destacam: "É indispensável que a sociedade seja ouvida e que se criem mecanismos de participação dos cidadãos nesse processo de reforma previdenciária".
Leia abaixo o manifesto:
NÃO É ESTA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL QUE O BRASIL PRECISA
Se a vossa justiça não for maior que a dos escribas e dos fariseus, não entrareis no Reino dos Céus (Mt 5,20).
1.    Conscientes de sua responsabilidade na vida pública, os cristãos devem estar presentes na formação dos consensos necessários e na oposição contra as injustiças. A Igreja não substitui e nem se identifica com políticos ou interesses partidários. Contudo, não pode se eximir da sua vocação de ser incansável advogada da justiça e dos pobres (Documento de Aparecida p.278). Em razão disso, nós, bispos da Igreja Católica, na província de Belo Horizonte, somos instados a promover a reflexão sobre a reforma da Previdência (PEC 287/2016), que tramita no Congresso Nacional.
2.  Visando promover o bem-estar da população brasileira, a Constituição Federal de 1988 estabeleceu a Seguridade Social, destinada a garantir saúde, previdência e assistência social. Para sua realização, essas políticas públicas compartilham diversas fontes de financiamento, denominadas “contribuições sociais”.
3. Várias reformas são indispensáveis à democracia brasileira. O aprimoramento das políticas é bem-vindo, desde que aperfeiçoe as instituições democráticas. Nenhuma reforma, contudo, pode operar em sentido contrário, trazendo o risco de aumentar as desigualdades que historicamente já caracterizam a sociedade brasileira.
4.  Num momento de intensa crise de representatividade e de legitimidade das instituições, pela ausência de autoridade moral que agrava a falta de credibilidade dos legisladores e governantes, é contraditório e perigoso impor mudanças constitucionais, quanto mais no que tange aos direitos sociais. A reforma da Previdência, tal como proposta, terá impactos para todos os cidadãos brasileiros: tanto para os que vivem neste tempo presente, quanto para as gerações futuras. É indispensável que a sociedade seja ouvida e que se criem mecanismos de participação dos cidadãos nesse processo de reforma previdenciária.
5. Também é preciso assegurar a transparência das informações veiculadas. É indispensável que se apresentem com clareza todas as fontes de financiamento e o verdadeiro destino dos recursos da Previdência e, de forma mais ampla, da Seguridade Social.
6.   A Previdência é uma das políticas sociais de maior abrangência exercidas pelo Estado. É arriscado analisá-la apenas sob a ótica de receitas e despesas, esquecendo-se de seu papel essencial na redistribuição de renda. A Previdência Social representa, para os cidadãos empobrecidos, a única diferença entre o desamparo e uma velhice minimamente segura. Além disso, num País de tão intensas desigualdades regionais, há muitos municípios cuja economia local depende dos recursos dos aposentados.
7. É inaceitável uma reforma que se assenta na redução dos direitos dos mais pobres, assim como é inadmissível estabelecer benefícios abaixo do salário mínimo, com valores insuficientes para garantir as condições básicas de sobrevivência, enquanto certos grupos continuam sendo privilegiados.
8.    Há uma profunda contradição em um modelo que pretende reduzir os benefícios pagos ao cidadão sem que antes sejam cobrados os débitos dos sonegadores e reavaliadas as isenções, para que estas apenas se justifiquem pelo serviço que prestam aos pobres. Do mesmo modo, é necessário um reordenamento nas finanças e no orçamento públicos, com vistas a impedir que recursos da Seguridade Social sejam utilizados para outros fins.
9.    Não é possível deixar desprotegidos aqueles que, por uma questão de justiça social, mais necessitam do amparo do poder público. Nesse campo, é condenável a extinção da diferença entre mulheres e homens em seu acesso, por direito, à Previdência. Sobrecarregam-se as mulheres nas atividades domésticas e nos cuidados familiares, além da disparidade salarial que as atinge com maior força.
10.    Com efeito, não há justiça em tratar de forma igual situações que são eminentemente desiguais. Nesse sentido, é inaceitável o estabelecimento de uma idade mínima universal. A idade de 65 anos para se aposentar e o tempo de 49 anos de contribuição para se obter o benefício integral são injustos para os trabalhadores, especialmente os do meio rural e aqueles submetidos a condições penosas e extenuantes. Uma idade mínima elevada sacrifica os pobres, que começam a trabalhar mais cedo e têm uma expectativa de vida menor.
11.    Nenhuma reforma da Previdência pode se eximir da responsabilidade de garantir um envelhecimento seguro e amparado. Como afirma o Papa Francisco: a economia que promove a exclusão e a desigualdade social é comprometida com a morte: “Essa economia mata!” (Evangelho da Alegria 53). Em discurso sobre a previdência social (Praça São Pedro, 07/11/15) o Para Francisco afirmou “nunca falte o seguro para a velhice, a doença, os acidentes de trabalho; não falte o direito à pensão, e sublinho, o direito, porque trata-se de direito [...]. É preciso fazê-lo não como obra de solidariedade, mas como dever de justiça e subsidiariedade”.
12. Diante disso, nós, bispos da Arquidiocese de Belo Horizonte e de sua Província Eclesiástica, sabedores de que “qualquer comunidade de Igreja, que pretende subsistir tranquila [...] sem cooperar de forma eficaz para que os pobres vivam com dignidade  e haja inclusão de todos, correrá o risco de sua dissolução [...]” (Evangelho da Alegria 205), conclamamos os católicos, todos os cidadãos, mulheres e homens, a se empenharem na luta por uma previdência social que cumpra sua função de proteção social para os mais empobrecidos, conforme assegurado na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.
Belo Horizonte, 20 de março de 2017.
Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte
Dom João Justino de Medeiros Silva
Arcebispo Coadjutor eleito de Montes Claros, transferido de Bispo Auxiliar de Belo Horizonte

Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães
Bispo Auxiliar de Belo Horizonte
Dom Edson José Oriolo dos Santos
Bispo Auxiliar de Belo Horizonte
Dom Otacílio Ferreira de Lacerda
Bispo Auxiliar de Belo Horizonte
Mons. Geovane Luís da Silva
Bispo Auxiliar eleito de Belo Horizonte
Mons. Vicente de Paula Ferreira
Bispo Auxiliar eleito de Belo Horizonte
Dom Guilherme Porto
Bispo Diocesano de Sete Lagoas
Dom José Aristeu Vieira
Bispo Diocesano de Luz
Dom José Carlos de Souza Campos
Bispo Diocesano de Divinópolis
Dom Miguel Ângelo Freitas Ribeiro 
Bispo Diocesano de Oliveira

[ Leia completa ]

Ministro Celso de Mello do STF manda que Câmara dê explicações sobre projeto de terceirização


28/03/2017 - O ministro Celso de Mello, que foi designado para ser o relator do Mandado de Segurança para suspender a tramitação do projeto de lei que trata da terceirização, despachou na noite dessa terça (28) solicitando informações ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia:

(…) Entendo prudente solicitar, no caso, prévias informações ao órgão apontado como coator. Publique-se.”


Conforme informação do Valor, os partidos questionam a conduta do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de ter pautado um projeto de lei apresentado em 1998 pelo Executivo, à época comandado por Fernando Henrique Cardoso (PSDB), sem deliberar sobre um requerimento apresentado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 2003, que pediu a suspensão da tramitação.
[ Leia completa ]

Ruiu o Podre Reino de Golpenhague


"O pânico chegou ao governo e a seus apoiadores. Como na trama dinamarquesa de Hamlet, rui em enredos escabrosos o reino brasileiro de Golpenhague. Apesar do apoio da mídia, que tenta criar um clima artificial de otimismo, com o seu patético 'parou de piorar', não se pode mais esconder que o golpe fracassou em todas as frentes", escreve Marcelo Zero; ele lembra que, com a saída de Dilma Rousseff, segundo os golpistas, a crise econômica se resolveria, a sangria da Lava Jato seria estancada, o governo manteria uma "monolítica e ampla base parlamentar" e os "manifestantes neoudenistas de classe média se encarregariam de dar sustentação social ao governo sem votos", as reformas seriam realizadas sem resistência e a liderança de Lula seria neutralizada; "Pois bem, nenhum desses pressupostos se sustentou", conclui

Por: MARCELO ZERO

É sociólogo, especialista em Relações Internacionais e assessor da liderança do PT no Senado

28 de Março de 2017

O pânico chegou ao governo e a seus apoiadores. Como na trama dinamarquesa de Hamlet, rui em enredos escabrosos o reino brasileiro de Golpenhague. Apesar do apoio da mídia, que tenta criar um clima artificial de otimismo, com o seu patético “parou de piorar”, não se pode mais esconder que o golpe fracassou em todas as frentes.

Com efeito, o golpe foi dado com os seguintes pressupostos:

1) A crise econômica se resolveria com relativa facilidade e presteza, assim que Dilma Rousseff fosse afastada.

2) A “sangria” seria estancada e os efeitos da Lava Jato ficariam circunscritos seletivamente ao PT, como era o desejo de seus apoiadores desde o início.

3)  O governo Temer manteria uma monolítica e ampla base parlamentar e os manifestantes neoudenistas de classe média se encarregariam de dar sustentação social ao governo sem votos.

4)  As reformas draconianas contra direitos previdenciários e trabalhistas e a desconstrução do Estado de Bem-Estar seriam realizadas sem maior resistência popular, dado o refluxo da esquerda e dos movimentos sociais.

5) A liderança popular de Lula seria neutralizada com relativa facilidade pela Lava Jato, o que asseguraria a transição política conservadora em 2018.

Pois bem, nenhum desses pressupostos se sustentou.

Quanto ao item 1, a “fada da confiança”, para usar a expressão irônica de Paul Krugman, veio ao Brasil, ao Reino de Golpenhague, e não gostou do que viu. Famílias e empresas com níveis recordes de endividamento, taxas de juros e spreads estratosféricos, massa salarial em declive acentuado e desemprego maciço.

Também viu que os mecanismos de que a economia brasileira dispõe para alavancar seu crescimento estão sendo desmontados. A cadeia do petróleo e gás, responsável por 13% do PIB está desarticulada, junto com a construção civil pesada. Até a produção de carnes, fundamental para nossas exportações, foi atrapalhada pelas trapalhadas de procuradores e delegados ignorantes e sedentos de holofotes. A política de conteúdo local e outros mecanismos de estímulo à economia nacional já não existem mais. Poços do pré-sal, nosso passaporte para o futuro, e do pós-sal estão sendo vendidos a preços aviltados. O crédito público, inclusive o do BNDES, instrumento fundamental para superação do primeiro impacto da crise mundial, em 2009 e 2010, está estancado, justamente no momento em que crédito privado minguou.

Além disso, o Brasil está presidido por um governo sem votos e sem nenhuma credibilidade, o qual não gera confiança em ninguém. Tudo isso deixou a assustadiça fadinha bastante desconfiada. Pensa ela que o Brasil foi colocado, com o austericídio golpista, numa posição semelhante à da Grécia. A Grécia também parou de piorar. Só que ficou bem pior e não consegue se reerguer.

Embora se considere natural que o decréscimo econômico tenda a ser menor este ano, após duas quedas brutais do PIB, nada indica que a recuperação tenha voltado. Ao contrário, as previsões mais confiáveis apontam para nova queda do PIB, em 2017. De qualquer modo, a sonhada recuperação está longe de ocorrer, o que vem frustrando as expectativas dos propugnadores do golpe. Agora, com anúncio do novo rombo orçamentário de R$ 58 bilhões do primeiro bimestre e com o provável aumento de impostos, o governo sem votos começa a ficar sem apoiadores firmes entre nossas oligarquias neoliberais. À exceção de alguns investidores externos, que estão comprando nosso patrimônio a preço de banana, todos estão frustrados com o pífio desempenho econômico do rei de Golpenhague. Para completar o quadro, o governo do golpe continua e continuará isolado, no plano externo.

Com respeito ao item 2, os artífices do impeachment sem crime de responsabilidade cometeram um erro de cálculo. Não levaram em consideração que essas operações, e seus agentes, têm dinâmica e interesses próprios. Têm inércia relativamente independente. Assim, embora a Lava Jato tenha incidido pesada e seletivamente contra o PT, desempenhando papel central no golpe, ela acabou atingindo também o PMDB, embora venha poupando visivelmente o PSDB. As últimas informações e vazamentos mostram claramente que a presidenta honesta foi substituída por uma turma envolvida até o pescoço com desvios e escândalos. A “turma da sangria”. A turma da fisiologia histórica e pesada. Mesmo com a proteção da mídia e com a possível acomodação que ocorreria no STF, o governo golpista não consegue esconder que definitivamente há algo bastante podre no Reino de Golpenhague. O discurso moralista hipócrita voltou-se contra seus autores.

No que se relaciona ao item 3, as expectativas também estão se frustrando. Nos debates sobre a previdência e a terceirização, ficou evidente que a base governamental começa a fraturar e a exibir desvios. Na votação da terceirização irrestrita, que institui legalmente a precarização do trabalho no Brasil, a base parlamentar do golpe mostrou-se bem mais acanhada que na votação da suicida Emenda Constitucional nº 95, de 2016. E poucos parecem estar dispostos a votar favoravelmente ao pior sistema previdenciário do mundo, que obrigará trabalhadores brasileiros, submetidos à informalidade, precariedade e rotatividade infames a contribuir quase meio século para poderem se aposentar com proventos integrais. Por outro lado, o retumbante fracasso da última mobilização da direita demonstrou que o apoio popular (de classe média) ao governo do golpe despencou.

Em relação ao item 4, houve gigantesco erro de avaliação política. Os golpistas confundiram as manifestações das classes médias tradicionais e brancas com o povo brasileiro. Acharam que aquilo era o Brasil inteiro se manifestando. Erraram.  Eram apenas os eleitores de Aécio, associados à extrema direita protofascista e turbinados, em seu ódio, pelo neoudenismo hipócrita e midiático. Erraram de novo ao supor que, com o refluxo defensivo das esquerdas e dos movimentos sociais, a população iria aceitar passivamente os atentados contra seus direitos e suas esperanças. Ao contrário, as últimas e volumosas manifestações contra a cruel Reforma da Previdência descortinaram um fenômeno definitivo: a ofensiva política mudou de lado. Quem está na defensiva agora é a direita.

Com respeito ao último item, apesar dos esforços frenéticos e sistemáticos da mídia, de procuradores, de juízes e dos derrotados nas eleições de 2014, o fracasso beira o patético. De fato, até agora as conduções coercitivas ilegais, os vazamentos seletivos, as escutas sem amparo legal, o uso abusivo das prisões provisórias como elemento de pressão para delações direcionadas e outras tantas irregularidades produziram apenas um power point infantil, que escancara convicções partidárias e se omite na demonstração de provas e indícios. De acordo com o preclaro power point, o "maior esquema de corrupção da história" produziu, para o seu "comandante", dois pedalinhos e um barco de lata.

Lula, a maior esperança (provavelmente a única) para a imprescindível conciliação política do Brasil e para a retomada do desenvolvimento, não cessa de crescer nas pesquisas. Em Monteiro, Paraíba, mostrou que tem dimensão humana e política inigualável. Lula foi o maior presidente da história do país, o único líder nacional que adquiriu envergadura mundial. O Cara. Com as contínuas trapalhadas do golpe, tende a ser imbatível em 2018. Só o deteria uma arriscadíssima e ilegal operação partidária-judicial.

Em contraste, a corte do Reino de Golpenhague é composta por anões políticos e morais, figuras menores, envolvidas, como no Reino da Dinamarca da trama de Hamlet, em tramas sórdidas e podres. Tramas contra o Brasil e seu povo.

De outro enredo shakespeariano, Macbeth, já se vê o bosque de Birnam, a floresta da democracia, caminhando em direção ao castelo de Dunsinane.

O golpe está perdido. Vai se encontrar na lata de lixo da história.


[ Leia completa ]