São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil | sábado 27 de agosto de 2016 - Ano: VIII | Edição: 2.862 - Visitas: 10.531.256 - Postagens: 29.556 - Comentários: 10.164

Primeira parcela do 13º salário começou a ser paga aos beneficiários do INSS

28/08/2016 - Os beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que recebem um salário mínimo e têm cartão com final 1, desconsiderando-se o dígito, começam a receber, começaram a receber a primeira parcelado décimo terceiro salário.

Tem direito ao décimo terceiro quem recebeu, durante o ano, benefício previdenciário como aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão ou salário-maternidade.

Os pagamentos serão feitos até o dia 8 de setembro. A segunda parcela será paga em novembro.

Os beneficiários do INSS chegaram a ter a antecipação do benefício ameaçada pelo ajuste fiscal, mas após negociações com centrais sindicais e associações de aposentados e pensionistas, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, anunciou, no fim de junho, que o adiantamento estaria garantido.


A antecipação de 50% do décimo terceiro salário aos beneficiários do INSS é feita desde 2006.

INSS
[ Leia completa ]

Brasileirão 2016 - Série B - Classificação 21ª Rodada

[ Leia completa ]

IFCE Campus do Pecém oferece 255 vagas em 8 cursos técnicos gratuitos


Podem concorrer a uma vaga, os candidatos que tenham idade igual ou superior a 18 anos, concluíram o ensino fundamental e possuem noções de informáticas

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) abriu inscrições para 8 cursos técnicos gratuitos no campus do Pecém. Ao todo, são ofertadas 255 vagas na modalidade Formação Inicial e Continuada (FIC). Podem concorrer a uma vaga, os candidatos que tenham idade igual ou superior a 18 anos, concluíram o ensino fundamental e possuem noções de informáticas.

As inscrições estão abertas até o próximo dia 9 de setembro e podem ser realizadas pela internet, com o preenchimento de um formulário, ou presencialmente, no campus. A organização da seleção pede um quilo de alimento não perecível como taxa inscrição, que deve ser entregue no dia da realização da prova, que está prevista para ocorrer no dia 14 de setembro. O teste terá 10 questões de português e 10 de matemática.

Os cursos serão ofertados nos trunos da manhã e da tarde. Vejas as vagas por curso: ­

Almoxarife
Turma única: 35 Vagas Dias: Segunda, Terça, Quarta, Quinta e Sexta Horário: 08h às 12h ­

Operador de Processos Químicos Industriais
Turma única: 25 Vagas Dias: Terça, Quarta e Quinta Horário: 13h às 17h ­ Operador de Tratamento de Águas e Efluentes Turma única: 25 Vagas Dias: Terça, Quarta e Quinta Horário: 13h às 17h ­

Desenho Técnico Mecânico Industrial
Turma única: 30 Vagas Dias: Segunda, Terça e Quarta Horário: 08h às 12h ­

Inglês para Comunicação Básica (Nível I)
Turma única: 35 Vagas Dias: Segundas e Quartas Horário: 08:30h às 11:30h ­

Português Instrumental
Turma única: 35 Vagas Dias: Terças e Quintas
Horário: 08:30h às 11:30h ­

Eletricidade Básica
Turma única: 35 Vagas Dias: Terça, Quarta e Quinta Horário: 08h às 12h ­

Introdução à Metrologia
Turma única: 35 Vagas Dias: Segunda, Terça e Quarta Horário: 13h às 17h

Edital do Concurso CLIQUE AQUI

Site do IFCE

IFCE
[ Leia completa ]

LEONARDO BOFF | A condenação de uma governanta digna e inocente por um bando de corruptos

Leonardo Boff*
27 de Agosto de 2016

O método usado antes contra Vargas e Jango foi agora retomado com o mesmo pretexto “de combater a corrupção”

Era uma vez uma nação grande por sua extensão e por seu povo alegre, embora injustiçado. Em sua maioria, sofria na miséria, nas grandes periferias das cidades e no interior profundo. Por séculos era governado por uma pequena elite do dinheiro que nunca se interessou pelo destino do povo pobre. No dizer de um historiador mulato, ele foi socialmente “capado e recapado, sangrado e ressangrado”.

Mas lentamente esses pobres foram se organizando em movimentos de todo tipo, acumulando poder social e alimentando um sonho de outro Brasil. Conseguiram transformar o poder social num poder político. Ajudaram a fundar o Partido dos Trabalhadores. Um de seus membros, sobrevivente da grande tribulação e torneiro mecânico, chegou a ser presidente. Apesar das pressões e concessões que sofreu dos endinheirados nacionais e transnacionais, conseguiu abrir uma significativa brecha no sistema de dominação permitindo-lhe fazer políticas socias humanizadoras. Uma Argentina inteira saíu da miséria e da fome. Milhares conseguiram sua casinha, com luz e energia. Negros e pobres tiveram acesso, antes impossível, ao ensino técnico e superior. Mais que tudo, porém, sentiram resgatada sua dignidade sempre negada. Viram-se parte da sociedade. Até podiam, em prestações, comprar um carrinho e até tomar o avião para visitar parentes distantes. Isso irritou a classe média, pois esta via seus espaços ocupados. Daí nasceu a discriminação e o ódio contra eles.

Ocorreu que, nos 13 anos de governo Lula-Dilma, o Brasil ganhou respeitabilidade mundial. Mas a crise da economia e das finanças, por ser sistêmica, nos atingiu, provocando dificuldades econômicas e desemprego que obrigaram o governo a tomar medidas severas. A corrupção endêmica no país densificou-se na Petrobras, envolvendo altos estratos do PT, mas também dos principais partidos. Um juiz parcial, com traços de justiceiro, focou, praticamente, apenas o PT. Especialmente a mídia empresarial conservadora conseguiu criar o estereótipo do PT como sinônimo de Corrupção - o que não é verdade, pois confunde a pequena parcela com o todo correto. Mas a corrupção condenável serviu de pretexto para que as elites endinheiras e seus aliados históricos tramassem um golpe parlamentar, pois mediante as eleições jamais triunfariam. Temendo que esse curso voltado aos mais pobres se consolidasse, decidiram liquidá-lo. O método usado antes contra Vargas e Jango foi agora retomado com o mesmo pretexto: “de combater a corrupção” - na verdade, para ocultar a própria corrupção. Os golpistas usaram o Parlamento no qual 60% estão sob acusações criminais e desrespeitaram os 54 milhões de votos que elegeram Dilma Rousseff.

Importa deixar claro que atrás desse golpe parlamentar se aninham os interesses mesquinhos e anti-sociais dos donos do poder, mancomunados com a imprensa que distorce os fatos e sempre se fez sócia de todos os golpes, juntamente com os partidos conservadores, com parte do Ministério Público e da Polícia Militar (que substitui os tanques) e uma parcela da Corte Suprema que, indignamente, não guarda imparcialidade. O golpe não é só contra a governanta, mas contra a democracia com viés participativo e social. Intenta-se voltar ao neoliberalismo mais descarado, atribuindo quase tudo ao mercado que é sempre competitivo e nada cooperativo (por isso, conflitivo e anti-social). Para isso, decidiu-se demolir as políticas sociais, privatizar a saúde, a educação e o petróleo e atacar as conquistas sociais dos trabalhadores.

Contra a presidenta não se identificou nenhum crime. De erros administrativos toleráveis, também feitos pelos governos anteriores, derivou-se a irresponsabilidade governamental contra a qual aplicou-se um impeachment. Por um pequeno acidente de bicicleta, se condena a presidenta à morte, castigo totalmente desproporcional. Dos 81 senadores que vão julgá-la, mais de 40 são réus ou investigados por outros crimes. Obrigam-na a sentar-se no banco dos réus, onde seus algozes deveriam estar. Entre eles se encontram 5 ex-ministros.

A corrupção não é só monetária. A pior é a corrupção das mentes e dos corações, cheios de ódio. Os senadores pró-impeachment têm a mente corrompida, pois sabem que estão julgando uma inocente. Mas a cegueira e os interesses corporativos prevalecem sobre os interesses de todo um povo.

Aqui vale a dura sentença do apóstolo Paulo: “eles aprisionam a verdade na injustiça. É o que atrai a ira de Deus”(Romanos 1,18). Os golpistas levarão na testa, pela vida afora, o sinal de Caim, que assassinou seu irmão Abel. Eles assassinaram a democracia. Sua memória será maldita pelo crime que cometeram. E a ira divina pesará sobre eles.


*Leonardo Boff é ex-professor de Ética da UERJ e escritor.
[ Leia completa ]

Uma assembleia de bandidos governada por um bandido


Nunca vi o Brasil descer tão baixo

27/08/2016 - No dia seguinte à votação do impeachment na Câmara dos Deputados, o escritor e comentarista político português Miguel Sousa Tavares falou ao canal SIC: "O que se passou no congresso brasileiro ultrapassa tudo o que é discutível. Foi uma assembleia geral de bandidos comandada por um bandido chamado Eduardo Cunha."

Em relação ao questionamento da senadora Gleisi Hoffmann - Qual é a moral que vocês têm para julgar a Dilma? -, o Conversa Afiada reproduz o artigo de Jeferson Miola - analista político, integrante do Instituto de Debates, Estudos e Alternativas (Idea) e coordenador-executivo do 5o. Fórum Social Mundial.

Qual é a moral desse Senado para julgar a Presidente?

“Aqui não tem ninguém com condições de acusar ninguém. E nem de julgar! Por isso que a gente diz que é uma farsa.

Qual é a moral desse Senado para julgar a Presidente da República? Qual é a moral que têm os senadores aqui para dizer que ela é culpada, pra cassar?

Quero saber!

Qual é a moral que vocês têm? Gostaria de saber! Que a metade aqui não tem! Se tivessem, se tivessem moral, Presidente, se tivessem moral, se tivessem, e quisessem de fato, se tivessem, Sr. Presidente ....”.
Questão de ordem apresentada pela senadora Gleisi Hoffmann no tribunal de exceção do impeachment.

O relógio do golpe anotava 11 horas e 32 minutos deste dia 25 de agosto de 2016. Estava em andamento a sessão de abertura do Tribunal de Exceção da farsa do impeachment no Senado da República. Precisamente neste momento a senadora petista Gleisi Hoffmann desafiou seus pares com uma pergunta mortal: “Qual é a moral desse Senado para julgar a Presidente da República?”.

Os imorais, ao invés de responderem à senadora, partiram para xingamentos e ofensas com a mesma truculência com que violentam a Constituição para perpetrar o golpe de Estado jurídico-midiático-parlamentar.

Apesar disso, a evolução dos trabalhos do Tribunal de Exceção daquele instante em diante evidenciou que a pergunta da senadora Gleisi fazia todo o sentido.

O relógio do golpe andou. Quando alcançou as 14:35 horas, o testemunho-chave indicado pelos golpistas, o procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União, Júlio Marcelo de Oliveira, foi desmascarado como militante partidário que se disfarçou de “técnico do TCU” para forjar um parecer de oposição à Presidente Dilma.

Este personagem hipócrita teve um papel decisivo na montagem da farsa do impeachment: foi ele quem inventou a nova hermenêutica jurídico-fiscal fabricada sob medida para a confecção da denúncia que o PSDB encomendou a Janaína Paschoal por R$ 45 mil.

Depois a peça fraudulenta foi usada por Eduardo Cunha, sócio do Michel Temer na conspiração, para iniciar a farsa do impeachment na “assembléia geral de bandidos”, que é como a imprensa internacional chama a Câmara dos Deputados – outra Casa legislativa que também não tinha moral para julgar a Presidente da República.

Em seguida, a peça fraudulenta do “técnico do TCU” se tornou o pilar de sustentação do relatório manipulado do senador tucano Antonio Anastasia.

Apesar da suspeição gritante do “técnico do TCU”, os golpistas continuam o julgamento que, vivesse o Brasil em pleno Estado de Direito, teria de ser totalmente anulado.

O relógio do golpe, contudo, continuou avançando. Quando alcançou os primeiros minutos da madrugada do dia 26 de agosto, outra fraude dos golpistas foi desmascarada: o segundo testemunho de acusação, o auditor do TCU Antonio Carlos D´Ávila, confessou ter ajudado o “técnico do TCU” na montagem da farsa; foi co-autor da fraude que forjou a “nova hermenêutica”.

A gravidade moral e jurídica deste comportamento é facilmente entendida na analogia feita pelo advogado de defesa da Presidente Dilma, José Eduardo Cardozo: “É como se um juiz ajudasse um advogado a preparar o documento que seria remetido a ele. É gravíssimo!”.

Quanto mais o relógio do golpe avança, mais razão tem a senadora Gleisi: esse Senado não tem moral para julgar e, menos ainda, para condenar e cassar a Presidente da República.

O déficit moral da maioria golpista não decorre unicamente do fato de que quase 40 deles deveriam ser impedidos de julgar porque são réus ou investigados por corrupção e outros crimes; mas também porque eles agem de modo imoral e parcial para condenar a Presidente. Promovem um julgamento de exceção, injusto e fraudulento, no qual testemunhos falsos são incensados como gênios inventores de uma nova e casuística hermenêutica jurídico-fiscal.

Falta moral a um Parlamento com uma maioria que derruba uma Presidente que não cometeu nenhum crime de responsabilidade, que não responde a nenhum inquérito e que não é ré em nenhum processo judicial. Falta moral a um Parlamento convertido em tribunal de exceção no qual uma maioria circunstancial impõe fascistamente sua condição majoritária para usurpar o poder pisoteando a Constituição e a Lei.

A moral, todavia, é uma das vítimas mortais deste momento de delírio fascista que o Brasil está atravessando. Mas esse é um mero detalhe, que não faz o menor sentido para os golpistas que abastardam a democracia.

Conversa Afiada 


[ Leia completa ]

Imprensa internacional denuncia: impeachment de Dilma é ou golpe ou farsa


"Se esse não é um golpe de Estado, é no mínimo uma farsa. E as verdadeiras vítimas dessa tragicomédia política infelizmente são os brasileiros", diz editorial do jornal francês Le Monde, um dos mais influentes da Europa; "O homem que deu início ao processo de impeachment, Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, é acusado de corrupção e de lavagem de dinheiro. A presidente do Brasil está sendo julgada por um Senado que tem um terço de seus representantes, segundo o site Congresso em Foco, como alvos de processos criminais", lembra ainda a publicação, que lembra o papel da Globo na desestabilização do Brasil

27 DE AGOSTO DE 2016

O jornal francês Le Monde, um dos mais influentes da Europa, publicou editorial neste fim de semana, em que afirma que o impeachment de Dilma Rousseff é "golpe ou farsa", que vitima o povo brasileiro.

"A ironia quis que a corrupção fizesse milhões de brasileiros saírem para as ruas nos últimos meses, mas que não fosse ela a causa da queda de Dilma Rousseff. Pior: os próprios arquitetos de sua derrocada não são santos", diz um trecho.

"O homem que deu início ao processo de impeachment, Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, é acusado de corrupção e de lavagem de dinheiro. A presidente do Brasil está sendo julgada por um Senado que tem um terço de seus representantes, segundo o site Congresso em Foco, como alvos de processos criminais. Ela será substituída por seu vice-presidente, Michel Temer, embora este seja considerado inelegível durante oito anos por ter ultrapassado o limite permitido de doações de campanha."

"Se esse não é um golpe de Estado, é no mínimo uma farsa. E as verdadeiras vítimas dessa tragicomédia política infelizmente são os brasileiros."

Leia, abaixo, o original em francês:

La triste ironie de la chute de Dilma Rousseff
 Editorial. Première femme présidente du Brésil, Dilma Rousseff vit ses derniers jours au sommet de l’Etat. L’issue de son procès en destitution, ouvert jeudi 25 août au Sénat, ne fait guère de doute. A moins d’un coup de théâtre, la dauphine du bien-aimé président Lula (2003-2010), suspendue de ses fonctions en mai, sera définitivement chassée dupouvoir le 30 ou le 31 août.

Dilma Rousseff a commis des erreurs politiques, économiques et tactiques. Mais son éviction, motivée par des acrobaties comptables auxquelles elle s’est livrée comme bien d’autres présidents, ne passera pas à la postérité comme un épisode glorieux de la jeune démocratie brésilienne.

Pour décrire le processus en cours, ses partisans évoquent un « crime parfait ». L’impeachment, prévu dans la Constitution brésilienne, a tous les atours de la légitimité. Personne, de fait, n’est venu déloger Dilma Rousseff, réélue en 2014, par la force des baïonnettes. L’ancienne guerrillera a elle-même usé de tous les recours légaux pour se défendre, en vain. Impopulaire et malhabile, Dilma Rousseff s’estime victime d’un « coup d’Etat » fomenté par ses adversaires, par les médias, et en particulier par la télévision Globo, aux ordres d’une élite économique soucieuse de préserver ses intérêts prétendument menacés par la soif d’égalitarisme de son parti, le Parti des travailleurs (PT).

La bête noire d’une partie des Brésiliens

Cette guerre au sommet s’est déroulée sur fond de révolte sociale. Après les « années bonheur » de prospérité économique, d’avancées sociales et de recul de la pauvreté sous les deux mandats de Lula, est venu, dès 2013, le temps des revendications citoyennes. L’accès à la consommation, l’organisation de la Coupe du monde puis des Jeux olympiques n’étaient plus de nature à combler le « peuple ». Il voulait davantage que « du pain et des jeux » : des écoles, des hôpitaux, une police fiable.

Le scandale de corruption à grande échelle lié au groupe pétrolier Petrobras a achevé de scandaliser un pays malmené par une crise économique sans précédent. En plein désarroi, une partie des Brésiliens ont fait du juge Sergio Moro, chargé de l’opération « Lava Jato » (« lavage express »), leur héros, et de la présidente leur bête noire.


L’ironie veut que si la corruption a fait descendre des millions de Brésiliens dans les rues ces derniers mois, ce n’est pas à cause d’elle que tombera Dilma Rousseff. Pire : les artisans de sa chute ne sont pas eux-mêmes des enfants de chœur. L’homme qui a lancé la procédure de destitution, Eduardo Cunha, ancien président de la Chambre des députés, est accusé de corruption et de blanchiment d’argent. La présidente du Brésil est jugée par un Sénat dont un tiers des élus font, selon le site Congresso em Foco, l’objet de poursuites criminelles. Elle sera remplacée par son vice-président, Michel Temer, pourtant censé être inéligible pendant huit ans pour avoir dépassé la limite autorisée de frais de campagne.

Le bras droit de M. Temer, Romero Juca, ancien ministre de la planification du gouvernement intérimaire, a été confondu en mai par une écoute téléphonique datée du mois de mars dans laquelle il réclamait explicitement un « changement de gouvernement » pour barrer la route de l’opération judiciaire « Lava Jato ». S’il n’y a pas coup d’Etat, il y a au moins tromperie. Et les vraies victimes de cette tragi-comédie politique sont, malheureusement, les Brésiliens.


[ Leia completa ]

Por trás das cortinas do golpe – O futuro da Globo


(Foto: Adriano Machado)
Por Bajonas Teixeira de Brito Junior, editor de política do Cafezinho
27/08/2016

Pois é. A Globo se tornou grande demais. Já era a segunda maior rede comercial do mundo e o segundo maior complexo televisivo da América Latina, agora passa a ser também a maior força política do país. A emissora, como ninguém ignora, tem sido apontada como agente decisivo dentro do consórcio do golpe.

O problema é que um princípio que rege a história brasileira, e do qual exemplos não faltam,  reza que “quanto maior o homem, maior o tombo”. São tantos os casos, e não só de homens mas também de empresas, de instituições e partidos, que vale analisar o assunto com atenção.

Observando a home da Globo por esses dias, quando o julgamento do impeachment de Dilma Rousseff entra na reta final no Senado, constata-se que seu ardor messiânico não arrefeceu em nada. Como sempre, lá estão as manchetes carregadas, forçadas nas tintas e nas dimensões, sempre negativas para Lula e para a presidenta.  Nem nesse momento,  da etapa final do julgamento no Senado, a empresa achou por bem adotar um tom mais sóbrio e simular alguma neutralidade. Ao contrário. A manchete que ontem ficou seis horas na home do G1, em fonte com dimensões espantosas, era sobre o indiciamento de Lula pela PF. (Pode ser vista aqui)

A imagem que escolhemos para ilustrar esse artigo (imagem da home G1, dia 12 de maio, às 7.34hs), uma dentre inúmeras de um arquivo de cinco mil imagens de homes e matérias que documentam a mídia nos últimos meses, é do início da manhã do dia em que o Senado aceitou o afastamento de Dilma para a continuidade do processo do impeachment. O enorme espaço ocupado pela imagem, cobrindo toda a faixa superior da home do portal naquela dia, e a sensação de cerco e opressão registrados nela, evocam o novo patamar de poder da Globo, deixando claro que o assédio ao Palácio do Planalto, o cerco, foi obra sua.

As intenções da Globo parecem ir muito além de uma mudança de governo, por mais traumática que esta tenha sido para a democracia, e para os 54 milhões de eleitores de Dilma. A empresa de comunicação, pelo que se constata em diversas intervenções nos últimos três meses, ou seja, desde o início da presidência interina de Temer, deixa poucas dúvidas sobre suas pretensões de comandar a política brasileira.

Alguns de seus posicionamentos são de quem pretende formular e conduzir as políticas decisivas para o país, sem se importar se essa condução contrariará os interesses das corporações mais bem situadas no funcionalismo público. Um exemplo importante foi o que veio no editorial da revista Época, que chamava de esquizofrênica a aprovação, em meados de maio, do regime de urgência na Câmara para votar os projetos de lei de aumento do Judiciário e do STF.

A Globo identifica a si mesma como genuína representante dos interesses da nação enquanto, do outro lado, põe as três instâncias do Estado como instituições esquizofrênicas. Estão completamente enlouquecidas pelo delírio salarial:

“A esquizofrenia política brasileira tem uma série de sintomas patológicos. Há uma completa falta de governança entre os Três Poderes – Executivo, Judiciário e Legislativo – no enfrentamento da crise. É um sinal de alheamento da gravidade da situação do país que a cúpula do Judiciário patrocine um projeto de reajuste  de 16,38% dos próprios vencimentos. O STF, que assume cada vez maior protagonismo na cena política, deveria assumir também a vanguarda da austeridade.”

Não só, portanto, a Globo se põe acima da instância executiva máxima do país, ocupada então pelo interino Michel Temer, mas também sobre os dois outros pilares do estado, igualmente tomados pela esquizofrenia.

Temer, o que nesse caso não surpreendeu ninguém, tomou a direção contrária aos ditames da Globo, e aprovou o aumento, até ampliando sua abrangência para outras categorias do serviço público. Esse alargamento se impôs para camuflar a intenção óbvia, de não parecer ingrato e de se precaver contra a fúria insana do STF, que já havia se abatido sobre Dilma. Não podendo dar um aumento exclusivo para o Judiciário e o STF, o que pegaria muito mal, teve que mascarar isso com uma ampliação dos beneficiados.

Matéria no UOL no dia da aprovação dos projetos (02 de junho) estimava o impacto dos aumentos sobre as contas públicas em 58 bilhões.

A Globo reagiu posteriormente com uma chocante cobertura da première da primeira-dama Marcela nas cerimonias públicas, ilustrada por uma imagem para além de qualquer dúvida. De certo, o recado foi bem entendido no Jaburu.  E a humilhação não será facilmente esquecida.

A Globo, por sua vez, apesar de todo seu poder, ou melhor, justamente por todo poder que acumulou como a força mais decisiva para o desenlace do golpe, não ignora que corre grande risco. Sim, por paradoxal que seja, no Brasil, um país meio taoista, todo extremo anuncia a chegada de uma brusca virada. Exemplos?

Os exemplos são inúmeros, dos mais óbvios aos mais modestos. Dos modestos, lembremos de apenas um, Demóstenes Torres, que se ergueu ao posto de senador modelo, diversas vezes premiado, e depois ruiu lamentavelmente como um ídolo de pés de barro. E ainda deste caso trágico, mas de todo previsível, que se pode contemplar na imagem do todo poderoso José Dirceu, que era apontado como o Maquiavel brasileiro, e que também foi tragado por sua insigne grandeza. Em escala ainda maior, observe-se o próprio Lula que chegou a uma altura enorme, e dessa altura colocou Dilma na cadeira presidencial.

A perseguição a Lula, e a vontade de reduzir a nada sua imagem, faz parte dos arcanos mais íntimos da alma brasileira, o que talvez ajude a explicar por que alguns milhões de adeptos, até ontem, permaneceram em casa assistindo passivos à cena da caçada ao líder. O prazer de ver o circo pegar fogo é o que aqui entretém os palhaços.

A lógica que orquestra a loucura brasileira é a do antigo ditado português – “Quanto maior o homem, maior o tombo”. Esse provavelmente será em breve o caso de Gilmar Mendes, e quem sabe até o de Sérgio Moro, como já foi o de tantos outros.

Agora que acumulou tanta musculatura, ao ponto de tornar-se, de fato, a força mais temível, e isso não apenas por um, mas por todos, a Globo ingressou com as próprias pernas em uma zona de grande risco. Agora, seja no velho espírito de horda primordial, daquele tipo freudiano que assassina o pai para apaziguar um temor coletivo, ou, mais próximo do que temos visto, no estilo máfia, que liquida o chefão, porque prefere conviver com várias famílias, do que ter que se subordinar a uma só, não será surpresa se a Globo for a vítima da vez.

Uma vítima imolada em sacrifício, para que os demais possam, em torno do seu cadáver, festejar a renovação da identidade grupal. Sem falar na partilha da herança. Como repetimos desde o dia 06 de março, dentro de um golpe há sempre muitos outros golpes ansiando por ver a luz do dia.

Temer deve ter medo da Globo. Muito medo. E não é o único. O temor aumenta na medida exata da gratidão que todos sentem pelos serviços prestados. Mas, como Stalin ensinou já faz um bom tempo, a gratidão é uma virtude canina. E, se pode acrescentar, os caninos são sempre cínicos.

Não sabemos o fim dessa história. Mas uma coisa é certa: a Globo se tornou grande demais.

Bajonas Teixeira de Brito Júnior – doutor em filosofia, UFRJ, autor dos livros Lógica do disparate, Método e delírio e Lógica dos fantasmas, e professor do departamento de comunicação social da UFES.

[ Leia completa ]

Festividades de Nossa Senhora da Soledade – Siupé 2016



TEMA: Nossa Senhora da Soledade, mãe de Misericórdia, ajudai-nos a cuidar de nossa casa comum.

DIA 29/08 (Segunda-Feira)

ABERTURA
17:30 h: Procissão
18:30 h: Santa Missa: Pe. Antônio Alves
Comunidades Convidadas: Comunidade Local
Ministério de Música: Homens do Terço (Siupé)

DIA 30/08 (Terça-Feira)
18:30 h: 1ª Novena
Responsáveis: Liturgia
19:00 h: Santa Missa: Pe. Marcos Brito
Comunidades Convidadas: Muriti, Marco, Umarizeiras e Maceió da Taiba.
Ministério de Música: Sopro do Espírito (Maceió)

DIA 31/08 (Quarta-Feira)
18:30 h:  2ª Novena
Responsáveis: Terço dos Homens
19:00 h: Santa Missa: Pe. João Batista
Comunidades Convidadas: Amarela, Área verde, Bolso.
Ministério de Música: Infância Missionária (Tabuba)

DIA 01/09 (Quinta-Feira)
18:30 h:  3ª Novena
Responsáveis: Dízimo
19:00 h: Santa Missa: Pe. Virgínio
Comunidades Convidadas: Tabuba, Guaribas, Queimadas e Genipapeiro.
Ministério de Música: Deus Conosco (Tabuba)

DIA 02/09 (Sexta-Feira)
18:30 h:  4ª Novena
Responsáveis: Apostolado da Oração
19:00 h: Santa Missa: Pe. Sávio
Comunidades Convidadas: Barra do Cauípe, Matões e São Gonçalo.
Ministério de Música: São Gonçalo 

DIA 03/09 (Sábado)
18:30 h:  5ª Novena
Responsáveis: Legião de Maria
19:00 h: Santa Missa:  Pe. Augusto
Comunidades Convidadas: Saquinho, Acende Candeia de Baixo e Cima.
Ministério de Música: Filhos que Edificam (Siupé)

DIA 04/09 (Domingo)
18:30 h:  6ª Novena
Responsáveis: Legião de Maria
19:00 h: Santa Missa:  Pe. Tula
Comunidades Convidadas: Córrego do Coelho e Jacarequara.
Ministério de Música: Nossa Senhora da Soledade (Siupé)

DIA 05/09 (Segunda-Feira)
18:30 h:  7ª Novena
Responsáveis: Crianças
19:00 h: Santa Missa:  Pe. Helano
Comunidades Convidadas: Pecém e Colônia.
Ministério de Música: Pecém

DIA 06/09 (Terça-Feira)
18:30 h:  8ª Novena
Responsáveis: Grupo de Jovens e Crismandos.
19:00 h: Santa Missa:  Pe. Francisco
Comunidades Convidadas: Parada e Caraúbas.
Ministério de Música: Jesus Vive (Parada)

DIA 07/09 (Quarta-Feira)
18:30 h:  9ª Novena
Responsáveis:
19:00 h: Santa Missa. Pe. Rodrigo
Comunidades Convidadas: Taiba
Ministério de Música: Taiba

DIA 08/09 (Quinta-Feira)
ENCERRAMENTO
18:00 h:  Procissão
19:00 h: Santa Missa:  Pe. Antonio Alves
Comunidades Convidadas: Comunidade Local.
Ministério de Música: Coral Semente do Amanhã (Siupé) 


Giovane Alves
[ Leia completa ]